O mundo é um moinho


Todo mundo, sobretudo as pessoas que se acham em plena forma, no auge da atividade profissional, costuma dizer que adora objetividade, que seu negócio são as coisas líquidas e certas. Assim como dois e dois são quatro. Talvez a atitude seja apenas um auto-engodo, um cacoete exigido pela vida prática, criando rotinas de procedimento, a fim de cumprir as exigências de produtividade do mercado.

Mas, no fundo, tudo na vida é incerto, a começar pela nossa gênese pessoal, vez que viemos de uma intrincada loteria genética.  Mire só no acaso que é a nossa existência individual. Se, em determinado momento, algum ator de nossa linha genealógica, um ancestral antigo, digamos assim, um eneavô, tivesse sofrido um revés antes de dar sequência à prole de onde procedemos, nossa existência teria sido barrada ali mesmo.  Nosso ramo genealógico não teria existido e nossa existência não seria sequer cogitada.

Isso num nível assim pessoal. Agora imagine no plano dos genes.  Numa única ejaculação, um homem lança milhões de gametas no órgão reprodutor da mulher. Imediatamente esses bichinhos tinhosos entram numa disputa fratricida para ver quem vai alcançar o óvulo e gerar um novo ser.   Os obstáculos são vários e mortais. A começar pela acidez ambiental. Os que sobrevivem terão que enfrentar, já no útero, o terreno pantanoso do muco cervical. Os heróicos sobreviventes dessa fase têm pela frente a areia movediça das mucosas franjadas, já às portas das tubas uterinas. Os pouco sobreviventes ainda enfrentam os coices ciliares nas paredes das tubas.

O primeiro que superar a terrível hostilidade dos cílios será premiado com um mergulho no óvulo e fecundará um novo ser. O segundo lugar não leva troféu algum e morre sem piedade, da mesma forma que todos os demais perdedores. Pior: da mesma forma que aqueles expelidos em sexo artesanal. O sentimento de piedade não povoa o mundo dos gametas. Talvez, por isso é que muitos teólogos não acreditam na piedade de Deus, porque, aos olhos dEle, seríamos meros gametas.

Mas nosso assunto aqui é a incerteza. Cada um daqueles milhões de gametas traz em sua carga genética um conjunto de características que diferem das dos demais. Ou seja, você só tem as características que tem porque foi fecundado pelo gameta que foi. Se tivesse sido por um outro, dentre os milhões concorrentes, você seria uma outra pessoa, com outras características, com outras digitais, com outras vocações, com outro destino. Nós existimos por um sorteio de loteria.

Agora imagine se enquanto estou aqui no cantinho do apartamento lucubrando este texto, um curto-circuito num outro cômodo ateie fogo em tudo e quando eu perceber já estarei sitiado pelas chamas. Minha única opção é saltar pela janela. Abro a cortina e vejo aliviado que bem debaixo de minha janela tem um catador de papel com sua carrocinha lotada de material macio. Sem hesitar, me lanço no vazio sobre a carga providencial. Posso acertar ou não o alvo. Posso ser deslocado pelo vento, como a nossa saltadora de vara olímpica.  O catador pode puxar a carrocinha exatamente naquele instante... E tudo estará certo como dois e dois são cinco.  Como muito bem intuiu Cartola, de quem tomei o título por empréstimo: O mundo é um moinho.  

(Publicada no jornal O Popular - Goiânia - Goiás em 29 de agosto de 2012)

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por comentar. Logo que eu puder, libero e respondo o seu comentário.