Nossos gritos de 22




Faz 190 anos que D. Pedro I sacou da espada à frente de sua comitiva (às margens do ribeiro Ipiranga, hoje abafado pela cidade de São Paulo) e berrou a plenos pulmões: Independência ou morte! (Pelo menos Tarcísio Meira berrou no filme de 1972.) E, a partir desse gesto heróico, o Brasil deixaria de ser colônia portuguesa para se tornar Reino do Brasil. E, é claro, com os portugueses fornecendo a família real e mantendo a velha aliança luso-britânica. A mesma que garantiu a remessa do ouro do Brasil-colônia à Inglaterra a troco de segurança e manufaturas, inclusive ioiôs e bilboquês. A cena do grito foi imortalizada pelo pintor paraibano, Pedro Américo, 66 anos mais tarde. Ou seja, uma cena pintada a frio, de mera ficção.  Como parece ser de ficção o país que nos tornamos.

No ano 22 do século seguinte o Brasil deu outro grito, através da Semana de Arte Moderna, com o intuito de se livrar da pintura figurativa, do verso alexandrino, do soneto parnasiano e de outras fórmulas impostas pela estética caduca. E abraçamos de corpo e alma as novas feituras preconizadas pelas vanguardas européias. Nosso movimento verde-amarelo foi europeu até a medula.

Agora não é 22, mas é 12, que tem lá seu respaldo cabalístico, e o Brasil parece estar dando um  outro grito. Agora contra a corrupção, contra a máfia no poder. Veja aí a Operação Monte Carlo e o julgamento do Mensalão.  É claro que esse grito, assim como tantos outros, não é capaz de afugentar todas as ratazanas que infestam nosso celeiro, mas poderá coibir um pouco suas ações.

Um país é como uma rede. É preciso estar o tempo todo vigilante contra os nós nos punhos. Ninguém sabe quem deu o nó, mas quem tem rede em casa conhece o problema. Os nós aparecem como que espontâneos. Se não forem desatados, a rede vai encurtando, ficando sem balanço, perdendo a comodidade. E quando se avolumam, é mais fácil jogar a rede fora do que desatar os nós.

O Brasil é uma rede com muito nós. Porque as coisas por aqui são feitas seguindo agendas secretas, por acordões selados em gabinetes soturnos, nas caladas da noite. Veja o fim do Império, o fim da escravatura, o fim das ditaduras Vargas e militar, os julgamentos de crimes políticos, as licitações fajutas etc.

E há tantos nós-cegos, que parece quase impossível se desatá-los. Ainda mais no grito. Caso emblemático é o das ferrovias. O lobby do caminhão impôs a rodovia quando era oportuno construir vias férreas. Hoje esse setor está no coração do dilema: o país não constrói porque não tem recursos e não tem recursos porque não construiu quando devia. E assim o custo Brasil vai garantindo o atraso crônico. Há ainda o nó do sistema eleitoral, da desindustrialização, da segurança pública, do transporte coletivo, do arrocho fiscal, da previdência, da saúde, da infra-estrutura, da educação, todos tendo a corrupção como forte componente. São tantos nós nos punhos que nossa rede deixou de ser um local agradável e de fruição para ser uma camisa de força, um pau-de-arara, uma peça de tortura. Será preciso amiudar os gritos, se quisermos um país decente.  

(Publicado no jornal O Popular - Goiânia - Goiás em 10 de setembro de 2012). 
Imagem: O Grito - Pedro Americo



Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por comentar. Logo que eu puder, libero e respondo o seu comentário.