Excesso de especulações excessivas

Qual é a coisa mais importante do mundo? Esta é sem dúvida uma pergunta de resposta difícil. Poderíamos voltar os olhos para os momentos iniciais da vida e dizer que o mais importante foi o carbono, que se juntou com o oxigênio e deu origem aos primeiros “tijolos” de aminoácido, e deles, num clima singularíssimo, acendeu a primeira centelha de vida. Veja só, a pergunta era sobre uma só coisa e na resposta aventada já entraram pelo menos umas seis: carbono, oxigênio, tijolos de aminoácidos, clima singular e centelha de vida. 

Ainda nessa linha de fatos ancestrais e desobedecendo à exigência de mencionar uma coisa unitária, poderíamos então dizer que o mais importante foi bóson de higgs, a partícula mágica que concedeu materialidade às partículas imateriais pré-existentes, concedendo assim origem a tudo o que nossos sentidos podem perceber, por si mesmo ou por meio de engenhos tecnológicos.

Mas a vontade que dá é de apontar coisas ainda anteriores. Se o bóson de higgs, também apelidado de “a partícula de Deus”, concedeu massa ao mundo, poderíamos aventar que o mais importante é o mistério que se situa anteriormente a tudo isso. E um mistério dessa envergadura não poderia receber outro nome senão de Deus. Mas dizer que o mais importante de tudo é Deus é cair numa generalização dissipada que em nada contribui para coisa nenhuma, a não ser para o bloqueio das faculdades racionais que nos diferem do cachorro ou da minhoca. Se Einstein ou Newton pensassem assim jamais teriam descoberto suas leis.

Vamos então fazer outra introdução aos fatos, a nossa in media res num mundo já estabelecido, estável, com a civilização humana em andamento. Melhor definindo, a pergunta só vale para as coisas em uso em nossos dias: o que é mais importante no mundo? Uns dirão que é a roda, outros, o idioma com que cada povo se comunica. Poderia ser a água, o fogo, o ar, a agricultura, a noção de cidade, a anestesia, o antibiótico, a tesoura, a eletricidade, o carro, o computador. Sei lá, são tantas coisas importantes e essenciais que a ausência de qualquer delas seria capaz de estrangular nosso processo civilizatório. Mas eu arriscaria a dizer que a coisa mais importante ainda não foi mencionada. A partir das coisas estabelecidas como estão, sem atolar no lodaçal dos mistérios, eu diria que a coisa mais importante, pelo menos para nós seres humano, é a memória. Sim, a memória racional, capaz de lembrar-se dos fatos, acumular conhecimentos, cruzar informações, misturar o conhecimento passado, com as projeções do futuro e construir um presente dinâmico. Tudo o que existe em termos de percepção, só existe por causa de nossa memória. O Alzheimer é a morte de tudo para quem ainda está vivo.


Eu, você, a celebridade, a marca do Google, da Coca-cola, tudo e todos só existimos porque há uma memória que dá credibilidade a essa existência. Quem foi o ministro da guerra de Rodrigues Alves?  Você não se lembra, nem eu. Para nós essa pessoa inexiste. Não porque já morreu, mas porque, para nós,  ela nunca terá existido. Daqui a 100 anos todos nós estaremos mortos. Pior: seremos inexistentes, porque não haverá memória que nos suscite. Até mesmo Deus, se não houver a memória humana para dar conta de sua presença, deixará de existir, como algo perceptível. 

(Publicado no jornal O Popular - Goiânia - Goiás em maio de 2013)      

Reações:

0 comentários:

Postar um comentário

Obrigado por comentar. Logo que eu puder, libero e respondo o seu comentário.