A mulher do atirador de facas

O circo Transalém chegou a Mundocaia com o alvoroço de sempre: as carretas de tranqueiras e coiseramas, os contêineres de macacos e animais ferozes. Durante uns três ou quatro dias foi aquela movimentação na Praça dos Trogloditas, que é a reservada para o circo, a tourada, o for-mula-cross, o racha, o homem da cobra, o cuspidor de fogo, o engolidor de espadas, o dorminhoco em cama de pregos e outras doideiras.


Agora era a vez do circo Transalém na Praça dos Trogloditas. Minha mãe me prevenira muitas vezes para nunca nunquinha beirar aquela praça. Pra ela aquilo era uma reserva do coisa ruim, lugar de se aprender o que não deve. Mas como o circo chegou, não pensei duas vezes. Para ser franco, não pensei uma vez sequer. 


Matei aula no grupo, me juntei à patota e fomos fazer serão à beira das cordas que separavam os curiosos do local de onde o circo levantava lentamente, com o trabalho suado daqueles homens musculosos, sem camisa. Dizem que o padre falou na missa pras mães não deixarem as filhas olharem àqueles homens com jeito de vitrine de açougue. Eram, no dizer dele, o começo da perdição pras mocinhas ainda mal formadas.


Finalmente ficou pronto o circo. Ganhamos a confiança do encarregado que nos deixou espiar por dentro. Era o troço mais grandioso do mundo. O picadeiro, as arquibancadas, as estacas que iam varando o céu, os cabos de aço coisa de doido, o globo da morte enorme, o trapézio vertiginoso sobre o vazio. Um cenário de magia. Tudo encoberto por uma lona novinha em folha.


Valeu o nosso esforço. Fomos selecionados pra divulgação. Recebemos carimbo na testa que nos garantia entrada de graça na estréia e lá fomos nós atrás do palhaço das pernas de pau, fraque e cartola, cuja copa quase encostava nos fios mais bambos. Fomos gritando a toda prega “tem sim, senhor!” entre o homem varapau e o elefante puxado por um anão de pernas zambas, que se parecia a um tracajá empinado.    


Nesse tempo vivia certa moça em Mundocaia que se chamava Serena. A confiar nos mais velhos, ela fazia o papel principal nos sonhos dos homens do lugar. Embora não desse bola pra ninguém. É que uma cigana lera em sua mão que ela estava reservada para um homem hábil e muito especial que haveria de chegar voando dentro de uma bolha de encantos. 


Daí pra ela cair de amores pelo trapezista foi um salto. Quando o circo foi embora, Serena foi junto. A família disse que ela foi ter vida de rainha. Já os rapazes se sentiram roubados e diziam maledicências: bilau de trapezista é só um fiapo. Não dou nem um ano pra Serena voltar. Se era só um fiapo ou não a gente nunca soube. Mas Serena não voltou, como previsto.


O fato é que o Transalém só retornou a Mundocaia 20 anos depois, numa situação precária: o leão urrava de fome, as arquibancadas rangiam, a lona parecia recém saída de uma chuva de granizos ou de uma intifada de palestinos. 


O antigo trapezista tivera uma crise de labirintite e fora rebaixado a atirador de facas. A belíssima Serena, que já nem era mais bela assim, era o seu alvo e fazia poses com visível indiferença. Não fosse um certo terror no olhar de que numa hora imprópria a labirintite voltasse a atacar o marido, com severa interferência na pontaria das facas.  

Reações:

1 comentários:

  1. Amei.Os olhos me marejam.
    Brava mundanidade! Intrépida goianidade! Raríssima "goianeidade" (goiana idoneidade).
    Linguagem apuradíssima. Poesia pura feito amor de pai e de mãe. Sabor de infância bem vivida.
    Compaixão pelos bichos e tolerância com o bicho-homem - o poeta Edival grita no deserto, feito "o leão urrava de fome" no decadente circo.
    Belíssima Serena blasé - a do conto e a da postagem...
    MUNDOCAIA - ao Mundo Novo calhe (cale) seu maravilhoso rego d'água, poeta!
    Em ti, fada, Edival.
    Parabéns!

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar. Logo que eu puder, libero e respondo o seu comentário.